Arquivos

Como me sinto quando contam o final do livro

tirinha blog 1

Anúncios

Descobrimento

Descobrimento

Escrevi um poema dia desses sobre como quero ser; mas percebo hoje que estava enganada. Para 2015, eu vou é ser mais eu, mergulhar nesse universo que é a vida, sempre acompanhada da escrita, pra poder relembrar nossos crescimentos e aprendizados depois.

Nesse clima de ano novo/vida nova, desejo ser cada vez mais madura e experiente, reutilizando sempre o passado para que deixe o presente mais robusto e encorpado; pronto e inteiro para se feliz, nada de arrependimentos.

Comecei a escrever meus pensamentos no papel. Saem tão mais verdadeiros e cheios de si que minhas vontades de podar pela raiz vão se dissipando. Perco a vergonha de dizer o que penso e me sinto cada vez mais leve.

Li há pouco “Livro- um encontro” de Lygia Bojunga e percebo que a minha essência não está nos livros que leio, nem em quem os escreveu; ela está no que sobra. No que poucos veem, na poesia.

Amo a poesia porque ela é toda bagunçada, que nem eu. E não quero, em hipótese alguma, deixar de ser assim.

Fazer retrospectivas do que vivi é maravilhoso, porém mais que isso é viver. Já fui boba e capaz de cogitar a possibilidade de deixar tudo isso pra trás, mas não me arrependo. Aprendi muito com isso, porque momentos de fraqueza existem.

Uma pessoa muito sábia me disse certa vez que nem toda dor é sinônimo de amargura. Então espero lembrar disso na próxima vez que o nó no peito aumentar.

Não quero acabar esse texto com aqueles pontos finais de uma vida de sonhos, desejos e gozos não terminados, inacabados. Quero aquele ponto e vírgula que poucas pessoas usam, mas que gosto tanto.

Novos anos servem para novas perspectivas, não para mudarmos quem somos. Isso é bobeira. Nós só vamos acalmar nosso peito e alma quando ser você mesma não é nem um pouco ruim.

(Iasmin Pires)

31/12/2014

Através do universo

Screenshot_2014-09-05-20-28-22-1

De uns tempos pra cá, virei amiga da Lua- com letra maiúscula mesmo, porque esse é um nome próprio para quem vive em constantes mudanças- e, percebi que sou semelhante a ela, indecifrável.

A Lua muitas vezes é ofuscada pelo brilho do sol e não mostra sua verdadeira identidade; nem mesmo à noite, que é onde possui o maior espaço do mundo para mostrar o que tem de melhor.

Mal sabemos nós que a Lua, na época em que mais brilha, está escura por dentro.

Por conta de todas as suas fases, a Lua, minha querida amiga, serve de inspiração para muitos estudiosos e filósofos e nem ao menos tem noção disso.

Muitos já pisaram nela, mas poucas pessoas, capaz de serem contadas a dedo, chegaram a realmente explorá-la além do que a barreira invisível dela permitia adentrar.

Reconhecimento

image

Semana passada publiquei uma resenha do livro Malas, Memórias e Marshmallows e a autora comentou!!!
Fiquei muito feliz pelo reconhecimento, porque muitas vezes me senti desestimulada a postar coisas interessantes aqui no blog, quando eu tinha no máximo 5 acessos por semana.
Então espero que mais pessoas achem meu blog e que compartilhem com seus amigos!!
Obrigada a todos que me acompanham até hoje. 🙂

Emprestando livros

emprestando

Li uma coluna muito legal na Revista Época chamada: “O prazer e o risco de emprestar um livro” e fiquei com essa ideia matutando na minha cabeça até que decidi falar sobre isso aqui no blog.

Antigamente, eu emprestei um livro para uma colega e ela não me devolveu até hoje. Acho que esse fato influenciou a minha recusa em emprestar os outros, mas com o tempo aprendi (para a minha felicidade e a de quem me pedia emprestado) que eu deveria compartilhar os meus livros preferidos com as pessoas que eu achava que iriam gostar da leitura e que pediam pra mim, por isso deixei pra lá o medo dele voltar num estado um pouco mais degradado e resolvi convencer os meus amigos que gostam tanto de ler quanto eu a emprestar seus livros e deixar de paranóia também.

Como alguns de vocês sabem, não consigo ficar muito tempo sem um livro, o que tem acontecido muito porque não estou em condições de comprar todos os que desejo. Então a única alternativa que me restou foi pedir emprestado a alguém. E como eu sempre emprestei para os outros, não tive dificuldades em receber de bom grado os livros que tanto queria emprestado. Ou seja, aquele velho ditado veio a calhar: faça com os outros o que gostaria que fizessem com você.

Por ter ficado dos dois lados da moeda numa situação como essa, garanto que quando você empresta um livro a uma pessoa e ela gosta do que leu, a sensação de orgulho é melhor do que a sensação que você teve durante a leitura, e faz com que você queira mostrar esse livro para todos à sua volta. E que receber o livro que você queria mas não pode comprar de alguém por quem você tem um enorme carinho traz uma felicidade imensa.

Sejam felizes e emprestem seus livros!!

Continuar lendo

Ariano Suassuna

Aos 7 anos, conheci um pouco da obra de Ariano Suassuna na escola em que estudava. Declamei, pela primeira vez, um de seus poemas -Aqui morava um rei- e desde então aprecio e me inspiro nesse grande autor.

Ontem, 23 de julho de 2014, faleceu a pessoa que me mostrou, mesmo indiretamente, a poesia. Senti muito pela morte.


ariano

Aqui morava um rei

Aqui morava um rei quando eu menino
Vestia ouro e castanho no gibão,
Pedra da Sorte sobre meu Destino,
Pulsava junto ao meu, seu coração.

Para mim, o seu cantar era Divino,
Quando ao som da viola e do bordão,
Cantava com voz rouca, o Desatino,
O Sangue, o riso e as mortes do Sertão.

Mas mataram meu pai. Desde esse dia
Eu me vi, como cego sem meu guia
Que se foi para o Sol, transfigurado.

Sua efígie me queima. Eu sou a presa.
Ele, a brasa que impele ao Fogo acesa
Espada de Ouro em pasto ensanguentado.

Continuar lendo

Enquete!!

Retrospectiva do mês de Abril

Esse mês foi muito divertido e corrido pra mim, por isso não tive tempo (e talvez a preguiça tenha ajudado) de escrever os posts que estava planejando colocar aqui. Enfim, fiz uma lista de alguns acontecimentos de Abril e espero que gostem:

 

Clube do Livro- 

Eu e mais quatro amigas gostamos muito de ler e tivemos a ideia de criar um clube de leitura para que pudéssemos conversar mais abertamente sobre o assunto (fazer uma análise completa do livro, por assim dizer) e escolher o próximo a ser comentado. Então, numa tarde de domingo, nos reunimos na casa de uma delas com o objetivo de falar sobre o best-seller A Culpa é das Estrelas – John Green, e acabamos conversando sobre vários outros temas, o que resultou num encontro bem animado, divertido e gostoso.

O próximo livro será Orgulho e Preconceito – Jane Austen e estou super ansiosa pela próxima “reunião”.

 

Paulo Leminski-

Imagem retirada do site Múltiplo Leminski

Imagem retirada do site Múltiplo Leminski

Fui, recentemente, à uma exposição sobre Paulo Leminski chamada Múltiplo Leminski com minha avó e fiquei muito encantada com a simplicidade daquele poeta e a forma como ele brincava com as palavras. Lá podemos ver alguns livros de sua biblioteca, seus cadernos de poesia, sua máquina de escrever, uma espécie de biografia com fotos e trechos de depoimentos sobre ele e várias caricaturas dele com seu famoso bigode. Além de, claro, expor poesias belíssimas. Pra mim, a exposição foi quase como um stopmotion, com tantas imagens e figuras bonitas; não tem como entrar lá e não se sentir feliz e bem-humorado. Recomendo à todos que visitem o lugar.

Mais informações:

Local: Torre Malakoff – Rua do Bom Jesus, Bairro do Recife.  Recife/Pernambuco

Período: 27. mar. 2014 a 30.maio.2014 

Horários para visitação: de terça a sexta, das 10h às 18h; sábados das 15h às 18h; e domingos, das 16h às 18h

Entrada gratuita.

 

 

Aniversário do blog- 

No dia 15 foi o aniversário de dois anos do blog e não pude fazer nada de especial como no ano passado. Mas estou muito feliz de ter conseguido mantê-lo por tanto tempo e desejo que ele dure por vários e vários anos.

E um imenso obrigada à vocês que têm me acompanhado.

 

 

Continuar lendo